terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Leituras leves para o Natal

Neste mês de Dezembro, no meio de tanto trabalho, testes, correcções, notas e reuniões, fiz uma pausa na leitura de “Caim” (que começou muito bem, mas de momento me cansou) e decidi ir à estante e escolher leituras leves. Estava a precisar. Assim, li, quase de uma assentada, três livros – “Razões do Coração” de Rosalind Laker, “Ninguém como tu” de Anna Casanovas e “A Villa” de Nora Roberts.


"Razões do Coração" - A história de Lisette, uma menina que vira mulher e cuja vida dá muitas voltas e reviravoltas, cruzando-se com Daniel, responsável por espectáculos da “lanterna mágica”. Esta história leva-nos ao final do séc.XIX, ao tempo e experiências dos Lumiére, ao nascimento do cinema. Uma intriga que se desenrola entre a França e Inglaterra e que nos envolve. No entanto, ou muito me engano, ou há erros cronológicos na acção. A protagonista é, no início, apresentada com uma idade que, no desfecho, se torna impossível. Não será, na minha opinião, um grande livro, mas é fácil de ler e a história envolve-nos e conquista-nos, apesar das pequenas desilusões como o erro cronológico que referi.


"Ninguém como tu" - Ágata, residente em Barcelona, viaja para Londres para um estágio profissional e para dar uma volta à sua vida, ficando alojada em casa de Gabriel, o melhor amigo do seu irmão mais velho. No entanto, muitas coisas novas a esperam por lá. É a típica história de amor com final feliz, mas é também uma história bem contada, com uma acção que faz sentido e nos conquista. Fiquei com vontade de ler outros livros da autora o que, para mim, é muito bom sinal.



“A Villa” de Nora Roberts conquistou-me (como tantas vezes acontece) pela capa e pelo título e não me desiludiu. É a história do clã Giambelli, família italiana de tradições vitivinícolas, que tem em três mulheres, avó, mãe e neta, na Califórnia, os seus pilares. Família esta que se cruza com outro clã, os Macmillan, formando uma forte sociedade que preparará os seus herdeiros para honrarem a tradição e assumirem a continuação da empresa. Uma história muito bem contada, como costumam ser as desta autora. Difícil de parar de ler, foi a muito custo que o li em dois dias, porque a vontade era de ler em sessão continua.


Para terminar esta partilha, permito-me destacar a dedicatória que Nora Roberts faz no seu livro, com a qual concordo e me soa a lema de vida...

“À família, que cria as raízes.

Aos amigos, que as fazem florescer”

…e quem disse que as leituras leves não nos enriquecem?....

domingo, 27 de dezembro de 2009

Boas Festas!

A todos os visitantes deste blog, aos amigos que conheço pessoalmente e aos que ganhei na blogosfera, desejo Boas Festas! Que o Natal tenha sido vivido com alegria, saúde e harmonia e o Novo Ano de 2010 se apresente pleno de boas energias, saúde (sempre! porque sem ela, nada feito), amor, alegria... e muitos livros!

Por falar em livros, descobri esta imagem, através do Google, no blog "Facing the wind" (num post de 20 de Dezembro de 2008) e achei-a fantástica! Uma árvore de Natal de livros!

Voltarei em breve para falar dos livros que entretanto li e dos que recebi, ultimamente o tempo tem sido pouco, mas não me esqueci deste cantinho e dos cantinhos que aqui referencio.

Beijos e abraços calorosos a todos os amigos da blogosfera e aos amigos dos livros! :)

Ah, e livros é o que continuo a pedir para a minha Escola, porque promessas chegaram e com muito boa vontade, mas livros ainda não ):


imagem in http://facingthewind.blogspot.com/2008_12_01_archive.html

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Inundação de selos! Muito obrigada!

Começo por pedir desculpa a todos quantos ofereceram selos a este blog e aos quais ainda não agradeci, mas o tempo tem sido curto e os selos muitos. Agradeço desde já a todos pelo carinho!

Os selos serão exibidos na barra lateral deste blog, uma vez que se torna impraticável exibi-los todos neste post. Quanto às regras, são muitos os que as trazem, mas vou tomar a liberdade de cumprir apenas as que considero mais interessantes.

Gostaria ainda de destacar um selo em especial pela sua originalidade, que é "Este Blog é um Chocolate para a Alma" da autoria do blog com o mesmo nome e que pretende celebrar o seu primeiro aniversário, não tendo quaisquer regras obrigatórias. Parabéns, Rita! À Rita tenho também que agradecer os seguintes selos: "Este blog merece um grande abraço"; "Este blog é um sonho"; "Um pouco de mim em 5 revelações".

Agradeço também o selo do Chocolate para a Alma à Ana, de Livros, O Meu Vício, além do "Selinho Blog Perfeitinho".
Tenho ainda que agradecer à Marta, da Chuva de Livros, uma chuva de selos: "Por este blog dava meu coração"; "Este blog é uma realidade utópica de tão lindo"; "Prémio Dardos" e "Você surpreendeu e me conquistou".
Um obrigado especial também à Flicka, de Mil Livros, Um Sonho pelo selo "Este blog cultiva amizades" e à Celsina de Uma Janela Secreta.

E agora vamos ao cumprimento de algumas regras.



Referentes ao selo "Por este blog dava meu coração":

1 - Algum blogue te ajudou a blogar no início? (dicas, receptividade, incentivo) Sim, uma amiga que tem um blog e os amigos que conheço e os que não conheço que foram deixando comentários no meu blog.

2 - Qual foi a sua fonte inspiradora?
A minha querida amiga IM do blog Ao Sabor dos Livros.

3 - Blogar é muito gratificante quando?
É gratificante sempre, porque só escrevo quando me apetece realmente partilhar ideias, experiências e emoções.

4 - O mundo da blogosfera seria mais interessante 'se'?
Para mim á já bastante interessante, porque só visito blogs que me interessam e de que gosto.

5 - Quanto tempo dedica ao blogue e em que horário
você gosta de blogar.

O tempo que dedico é muito variável, depende da inspiração e disponibilidade de tempo. Quanto ao horário, sem dúvida que gosto de blogar à noite. A noite é que me traz a inspiração.


6 - Seu coração blogueiro não se engana quando? (referente a outro blogue ou blogueiro)
Quando considero que o blog que visito é feito com dedicação e gosto.


Agora cumprindo as regras de "Um pouco de mim em 5 revelações":


Complete as seguintes frases
Eu já... cumpri alguns sonhos
Eu nunca... saltei de páraquedas, mas gostava de experimentar
Eu sei...
que a vida é curta, por isso gosto de sorrir para que me sorria de volta e valha a pena cá andar
Eu quero... "viajar, perder países"... como dizia o grande Pessoa
Eu sonho...
com um mundo melhor para o meu sobrinho e todos os que agora são crianças. Eu tentarei fazer o que puder nesse sentido.


Por fim, deixo aqui o selo do abraço para todos os que me atribuíram selos e para todos os que aqui passarem e o quiserem levar. Muito obrigada por estarem aí desse lado!




quarta-feira, 4 de novembro de 2009

A Sombra do Vento - enfim acabei!


E finalmente cheguei ao fim! E valeu a pena! Este processo de leitura foi longo... Daniel Sempere acompanhou-me neste longo processo. Comecei por gostar bastante, depois "mastiguei" durante muito tempo até que "dobrei o Cabo das Tormentas" e reencontrei a emoção nas últimas 200 páginas que devorei em algumas horas. Magistral!
O que me aconteceu com este livro acontece-me poucas vezes, mas acontece. Há alturas da vida em que pego num livro e me é difícil acabar de lê-lo, pelas mais variadas razões. No entanto, não tenho por hábito desistir, nem começar a ler outro (não me dá muito jeito ler mais do que um livro em simultâneo). Aconteceu-me, por exemplo, há uns anos com "Viver para Contá-la" de Gabriel Garcia Marquez.
Voltando a "A Sombra do Vento", a história de Daniel, da caneta de Victor Hugo, e do seu Júlian Carax começou por me encantar, depois perdi-me, comecei a achar demasiada fantasia, um enredo algo inverosímel, mas depois deu-se o "clic" - o livro agarrou-me novamente e o desfecho foi surpreendente, mas tornou tudo claro e lógico, uma trama magistralmente tecida. É aqui neste pormenor que, na minha modesta opinião, se distinguem os grandes escritores, não desiludem, sustentam e superam as nossas expectativas.
E assim se fechou o ciclo, com a cumplicidade e a magia de um pai e um filho a caminho do Cemitério dos Livros Esquecidos...

PS - agora vou dedicar-me ao "Caim" de Saramago, estou muito curiosa!

sábado, 10 de outubro de 2009

Apelo literário



Aproveitando o facto de, pelos vistos, ter uns quantos visitantes, venho fazer aqui um apelo literário. Então cá vai...
Sou professora de Português numa escola profissional e, no âmbito da disciplina de Português, temos tido uma luta para conseguirmos pôr os nossos "meninos" (adolescentes do 10º ao 12º ano) a ler. A pouco e pouco vamos conquistando alguns, mas queremos conquistar muitos mais,. No entanto, entre outros problemas, temos um que por vezes é um grande obstáculo - falta de "livros de ler" (como eles dizem) no nosso Centro de Recursos.
Todos os anos temos uma pequena verba para adquirir mais alguns, mas manifestamente insuficiente para que seja possível haver quantidade e variedade de livros para que os nossos alunos tenham opção de escolha. Acresce a dificuldade de grande parte deles virem de famílias com outras prioridades por razões económicas e outros por carência cultural.
Assim, vamos emprestando os nossos próprios livros, conseguindo que um ou outro vá comprando um, mas a oferta continua a ser reduzida. Foi então que me lembrei de escrever a editores e livreiros a expor a situação, solicitando que nos doem livros com defeito de capa (que não podem ser vendidos). Neste sentido, gostaria de saber se alguém que aqui passe tem mais ideias ou se poderá fornecer-me algum contacto mais directo de entre editores e livreiros para que consigamos realmente enriquecer o nosso Centro de Recursos e conquistar mais leitores. O potencial eu tenho à minha frente, o pior é que o entusiasmo esfria quando a oferta é reduzida.

Há por aí ideias, sugestões, conselhos??? Se há, deixem-mos aqui sff.

Obrigada e boas leituras!

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

5000 visitas! Obrigada!

5000 visitantes teve já este meu blog de leituras... tantas!!! Não podia deixar de agradecer, não só as visitas, mas também a amabilidade dos que querem por aqui deixar os seus comentários, sempre tão simpáticos. A internet tem destas coisas... amizades virtuais, partilhas, pontos de encontro, às vezes autênticas tertúlias. O mundo da blogosfera, quando utilizado de forma construtiva e positiva, é um manancial de emoções e relações.

Mais uma vez, muito obrigada por passarem por aqui. Pela minha parte, continuarei a passar pelos vossos cantinhos com muito prazer.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Mais selos. Obrigada!

E cá chegaram mais uns selinhos de amáveis amigas da blogoesfera. A doçura chegou pela mão da Marta da Chuva de Livros, da Rita do Chocolate para a Alma e da Flicka de Mil Livros, um Sonho.
Obrigada!
O selo é este...... e com ele...

Regras:


1 - Agradecer ao blogue que ofereceu o selinho - Já está!


2 - Indicar nove blogues para receber o selinho:

Este vou dedicar a todos os blogues referenciados neste meu blog, porque considero que têm todos um pouquinho de açúcar, e também os que referencio no meu "Palavras ao Vento".
Dedico ainda às amigas doces que atribuíram este selo ao meu blog. Mais uma vez, muito obrigada!!!



3 - Indicar nove características minhas:

- Simpática
- Sorridente
- Positiva
- Teimosa
- Gulosa
- Dorminhoca
- Optimista
- Faladora (sobretudo numa conversa agradável)
- Caseira

4. O meu doce preferido:

Musse de chocolate (sobretudo feita com a receita da minha mãe).


E mais um veio pela Tinkerbell através do My Imaginarium, é este...


... mas vou subverter as regras, se as quiserem de facto visitem o blog da Tinkerbell, quanto a mim renovo a dedicatória que fiz acima nesta mesma mensagem!

Bjs e muito obrigada pelo carinho destes gestos.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Em processo de leitura...

Este é o amigo que me acompanha, há algum tempo, na mesa de cabeceira. O ano lectivo começou e só tenho tido tempo para acompanhar a cada dia, mesmo antes de dormir, algumas páginas da aventura de Daniel Sempere e o feitiço dos livros, a sua paixão gorada por Clara e a tão desejada caneta de Victor Hugo. É lenta esta minha leitura, porque, entretanto, vagueio pela minha estante e pelos meus livros para levar aos meus novos alunos a sua própria "Sombra do Vento", ou seja, o livro que lhes está destinado e lhes abrirá a porta para o mundo mágico da leitura. Amanhã mesmo terei uma aula em que pegarei em alguns dos meus livros preferidos para lhos apresentar, para perceberem do que gostei em cada um deles, o que me conquistou, qual varinha mágica. É este mundo mágico da leitura que quero levar para a escola e apresentar aos meus alunos, olhando-os nos olhos e tentando perceber qual o livro ideal para cada um deles. Ainda hoje, um dos mais rebeldes dos meus meninos, antes de sair da sala de aula, disse-me "Stora, veja lá então se descobre na sua estante um livro que seja a minha cara" e assim assumo o papel de maga, feiticeira ou adivinha que tem que encontrar a poção mágica adequada para manter o feitiço.
Quanto a Daniel Sempere, continuará a acompanhar-me na mesa de cabeceira, onde esta noite desvendarei mais umas páginas... em espera tenho outros, tantos!... "O Leitor", " Pássaros sem Asas"... e tantos tantos outros. E a lista será cada vez maior...


PS- se alguém que passe por este blogue souber se será possível as editoras doarem livros com defeito (que obviamente não possam ser vendidos) ao Centro de Recursos de uma Escola Profissional pivada, diga-me por favor. Precisamos de enriquecer a nossa biblioteca para que os nossos meninos tenham mais por onde escolher. Obrigada!

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

A Arte de Amar


A capa... interessante, a autora... apeteceu-me dar-lhe uma oportunidade (depois da desilusão de "Uma Villa em Itália"), a sinopse... razoável, o título... recordou-me um homónimo de Ovídio e a minha veia de classicista levou a melhor e eu trouxe o livro para casa.
Lê-se facilmente, mas, para quem já teve uma desilusão com um livro desta autora, este não é melhor. Há qualquer coisa que, quanto a mim, não funciona nas suas histórias e não me convence. O desfecho acaba por ser, mais uma vez, abrupto e parece sempre uma tentativa forçada de "arrumar a casa", dar destino a cada uma das personagens de forma muito pouco natural. Diria que a história começa bem, vai-se desenrolando e as personagens vão-se entrelaçando e, quando tudo parece bem encaminhado, a base do edifício vacila e tudo tem que ser rapidamente escorado, porque, a qualquer momento, a edificação pode desabar.
Foi esta a sensação que tive nos dois livros da autora. Definitivamente, não me convence.
Lamento, mas a léguas de distância do homónimo de Ovídio, esse sim "A Arte de Amar".

sábado, 29 de agosto de 2009

E os selos continuam a chegar... mais depressa do que as minhas leituras!

Pois é, e chegaram mais selos, três ao todo! Dois vieram pela Miar à Chuva, das "Vidas Desfolhadas" e outro pela Flicka de "Mil Livros, Um Sonho". Muito, muito obrigada!
Correndo o risco de me repetir, considero este tipo de atribuição de prémios como reconhecimentos carinhosos, daí que me honre recebê-los e procure responder aos desafios que normalmente trazem consigo, por isso cá vai...


Ora este foi-me atribuído por Miar à Chuva e tem as seguintes regras:

  • Enumerar três coisas que quero fazer no futuro:
- Conhecer 21 capitais dos países da UE (já conheço Lisboa, Madrid, Roma e Londres... só falta o resto! :));
- Ter uma casa com uma biblioteca onde haja espaço para todos os meus livros;
- Ser mãe.



Este vem também de Miar à Chuva e pretende que refira...

8 caracteristicas minhas:

- Simpática

- Alegre
- Teimosa
- Maternal
- Desconfiada
- Tolerante
- Gulosa
- Dorminhoca



E por fim...


pela Flicka e este implica a resposta a um questionário, ora vamos lá...

Perguntas:

- Qual o livro que está lendo ou qual o último que leu?
Ando a ler "A Arte de Amar" de Elizabeth Edmondson, razoável, mas nada por aí além.

- Qual livro preferido?
Gosto de tantos, mas há um que me ficou mesmo cá bem fundo, "De Amor e de Sombra" de Isabel Allende.

- Autor, capa, recomendação ou sinopse?
Sobretudo pela sinopse, mas o autor, a capa e as recomendações também têm influência, mas nunca tomo a decisão final de ler um livro, sem ler a sinopse. Gosto de estilos variados, mas gosto bastante de personagens fortes, bem construídas e não ocas.

- Um livro que não consegue terminar de ler.
Até há uns anos atrás, recusava-me a deixar qualquer livro a meio, mesmo que tivesse vontade, até que dei com "Malícia" de Danielle Steel e tive mesmo que desistir. Depois desse, fiz paragens a meio de alguns e li outros entretanto, mas julgo que acabei todos.

-Aquele que não sai de sua cabeceira.
O que estiver a ler no momento, ou os que estiverem na fila a seguir para serem lidos. Às vezes tenho 5 ou 6 livros na cabeceira e lá os volto a pôr na estante... para voltarem pouco tempo depois :)

- Escritor preferido.
Isabel Allende, sempre. Tenho outros, mas a leitura dos seus livros depende do meu estado de espírito - José Rodrigues dos Santos, Nicholas Sparks, Nora Roberts, Sveva Casati Modignani, entre outros.

-Eu recomendo:
Todos os queiram ler, gostos não se discutem e vale sempre a pena ler. Recomendar, recomendar... todos os de Isabel Allende.

- Não recomendo:
Só não recomendo que não leiam nada.


Vou pegar em todos estes selos e passá-los aos seguintes blogs (quer queiram aceitar o desafio, quer não, não é uma obrigação e até poderá haver alguns que já tenham respondido!) - a ordem é aleatória (alguns são de escrita e não de leituras, mas são blogs pelos quais tenho um carinho muito grande e que visito regularmente):

- O meu baú
- Mil Livros, Um Sonho
- Vidas Desfolhadas
- Há Vida em Marta
- Leituras da Bauny
- Viajar pela Leitura
- Chuva de Livros
- Floresta das Leituras
- De Pedra e Cal...
- As Valsas Invisíveis
- Chocolate para a Alma

De certeza que me esqueço de algum, mas quem por aqui passar é livre de levar consigo estes "selos" e responder aos desafios.

Obrigada mais uma vez!

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

E mais um selo, veio com a Chuva de Livros

E este selo cheio de glamour veio da Marta da Chuva de Livros. Obrigada, Marta! E agora as regras - não sou muito consumista, mas vou tentar:

Regras: Listar 5 desejos de consumo que te deixariam glamourosa e indicar 10 blogues amigos para receber o presente

1- Ter uma casa com um grande espaço para biblioteca, de forma a caberem lá muitas estantes, para todos os meus livros (que se vão acumulando sem haver estante que resista);
2 - Comprar um livro todos os dias;
3 - Todos os anos, oferecer um livro a cada um dos meus alunos;
4 - Ter uma livraria;
5 - Viajar à descoberta do mundo sempre que me apetecesse, oferecendo a viagem a quem quisesse ter por companhia, conforme o destino.

Blogues a presentear (quer tenham ou não instintos consumistas, mas que decerto têm glamour - a ordem é aleatória):

1. Floresta das Leituras
2. Mil Livros Um Sonho
3. Leituras da Bauny
4. As Valsas Invisíveis
5. De Pedra e Cal nas Águas Ludras da Vida
6. Viajar pela Leitura
7. Neotenia
8. Há Vida em Marta
9. O Meu Baú
10. Life is Beautiful
11. Vidas Desfolhadas

(subverti um bocadinho as regras e escolhi 11)

Que me perdoem todos os outros, mas são blogs pelos quais tenho um carinho especial, gosto de os visitar. Alguns são de amigos que conheço em pessoa, outros são de amigos que ganhei na blogosfera.
Quanto a mim, valem todos a pena e todos têm o seu glamour à sua maneira.
Fico à espera das vossas respostas ao desafio. Eu já cumpri a minha parte, Marta!


Com muito carinho, para todos vocês...

terça-feira, 11 de agosto de 2009

O Quarto Mágico


Há livros que são isso mesmo, mágicos. "O Jardim Encantado", da mesma autora, já me havia conquistado, este "Quarto Mágico" veio confirmar o meu gosto pela escrita de Sarah Addison Allen.
Mais uma vez uma capa sedutora, uma história envolvente, personagens que nos conquistam, um enredo que nos enleia, momentos mágicos mais ou menos verosímeis (como os livros que aparecem e desaparecem como se tivessem vida própria... e porque não? Quantas vezes os livros me vêm parar às mãos sem eu saber bem porquê!...), uma escrita escorreita e doce.
Um dado curioso, mais uma vez a comida surge como um elemento que quase transpõe o papel e nos chega ao paladar, como se a pudessemos saborear (como em "O Jardim Encantado" ou "Chocolate", este de Joanne Harris).
Peguei neste livro ontem à noite, por volta da 1da manhã, fechei-o às 5 da manhã, li-o num ápice e, quando o acabei, foi como se tivesse acabado de saborear a minha sobremesa preferida, aquela sensação de alegria e saciedade. Adorei!

A Vida num Sopro


Sou uma fã assumida dos livros de José Rodrigues dos Santos, (JRS) já li uns quantos ("A Filha do Capitão","Codex 632", "A Fórmula de Deus"), tenho em espera "A Ilha das Trevas" e "O Sétimo Selo", e acabei agora de ler este. De todos, o meu preferido continua a ser o "Codex". Mas, voltando a "A Vida num Sopro", li-o na sequência do livro de Domingos Amaral ("Enquanto Salazar Dormia") pela época em que decorre a acção. Apeteceu-me ler mais sobre uma época que desperta a minha curiosidade pelo ridículo das situações, pelas leis inconcebíveis, por um regime absurdo que "reinou" pelo medo durante 40 anos.
Neste sopro, JRS romanceia a relação dos seus avós, Luís e Amélia, contemporâneos de um regime absurdo e que viveram um amor impossível. Uma história bem contada que, no entanto, a dada altura, se perde um pouco para a tentativa de contextualização mais pormenorizada, o que, na minha modesta opinião, acontece noutros livros do autor. Como se a investigação histórica ganhasse vida própria e secundarizasse a história central. É nestes momentos que vacilo na leitura, não porque não ache interessante, mas porque me faz quebrar um pouco o fio da acção. Ainda assim, gostei bastante de "A Vida num Sopro", até mesmo do seu final imprevisível, mas que parece de facto ser a única saída para Luís Afonso, o protagonista da história, apanhado numa hedionda rede urdida por um inspector da "pevide" (como era denominada por alguns a PVDE -Polícia de Vigilância e Defesa do Estado, mais tarde PIDE), que algures no tempo se ofendeu com uma resposta deste cidadão que não percebia porque não podia beijar a namorada em público. Era assim naquele tempo...
Termino destacando a citação que o próprio JRS faz, através do seu Luís Afonso, do grande Fernando Pessoa:

"Dorme, mãe Pátria, nula e postergada
E, se um sonho de esperança te surgir,
Não creias nele, porque tudo é nada,
E nunca vem aquilo que há-de vir."

Fernando Pessoa

terça-feira, 14 de julho de 2009

"Valsas Invisíveis"


Há situações na vida muito imprevisíveis. Há uns tempos atrás, como por magia, regressada de uma viagem ao Brasil, por altura da Páscoa, descobri na blogoesfera o blog "Valsas Invisíveis" de Eduardo Trindade, poeta, artista brasileiro. Gostei e passei a visitante assídua. O Eduardo passou a visitar também o meu blog e assim nasceu uma espécie de amizade. Foi também assim que descobri o livro que ele escreveu "Valsas Invisíveis". A curiosidade foi crescendo e comentário atrás de comentário, mail atrás de mail e, como por encanto, do Rio a Lisboa ,voou o livro até às minhas mãos. É desse livro que quero aqui falar.
Não resisto a começar por citar uma frase de Juliana Lobo, que faz o prefácio desta obra: «...foi assim, com o primor dos passos de dança, que Eduardo Trindade teceu as "Valsas Invisíveis".»
É assim mesmo. É um livro de poemas e simultaneamente um livro de histórias, de desabafos, de olhares, pinceladas do quotidiano. Tudo escrito com doçura, carinho e harmonia, com marcas tipicamente brasileiras no vocabulário como os jacarandás.
Um livro que se lê de uma ponta à outra com agrado e num ápice, como se nos segredassem ao ouvido.
Quanto aos textos, tenho vários preferidos, difícil escolher, mas, apenas para citar alguns: adoro o texto "A Lei do Abraço" em que o autor defende "Todos deveriam ter direito a um grande abraço por dia"; tenho um carinho especial pelo poema "Professorinha", doce e terno; o texto "Luana Tomasi" de uma sensibilidade indescritível; "Receita para um poema", um autêntico Chef das palavras; "Descoberta", sobre a amizade, lindo, porque também eu descobri uma nova amizade de forma simples e natural; "Versos", a imagem dos versos que dançam pela rua e se encontram... e tantos, tantos mais.
Disse o Eduardo na mensagem que mandou junto com o livro - "Espero que gostes." Respondo-te agora, meu amigo, ADOREI!!!

segunda-feira, 13 de julho de 2009

"Enquanto Salazar Dormia"

Jack Gil Mascarenhas Deane, espião luso-britânico, filho de mãe portuguesa, é o herói deste romance. Um nome curioso, mas que tem tudo a ver com a personagem que vamos desvendando a pouco e pouco. É através da viagem pela memória desta personagem que conhecemos esta história.
A acção começa em Lisboa, seguindo-se uma analepse de cerca de 50 anos e vamos até 1941, até uma Lisboa e um país contemporâneos da II Guerra Mundial, suposta e convenientemente neutral. Um país aonde acorriam os refugiados, onde circulavam ingleses e alemães, numa "guerra secreta" que "Salazar permite, mas vigia à distância". Nesta história, o autor procura caracterizar uma época singular da história do nosso país, incluindo referências a algumas personagens históricas como o embaixador Campbell, o coronel Schroeder, Graham Green, Nubar Gulbenkian, Rommel, Hitler e o próprio Salazar, que faz uma fugaz aparição da História dentro da história.
Uma escrita cativante, num enredo delicioso, que integra o humor, o suspense, informação geo-política e até o romantismo.
A história de um homem, espião a partir de certa altura, que é e não é português, e nessa condição ambígua, vê muito por detrás de um país cinzento: a simpatia não declarada do regime pelos alemães de Hitler; a revolta de outros que, ao ajudarem os ingleses, de certa forma contestavam o regime; a PVDE (mais tarde PIDE) que é responsável por atrocidades, que colabora tacitamente com a Gestapo, permitindo-lhes a perseguição e até execução de refugiados; o paradoxal glamour de uma espécie de sub-mundo que era a vida dos estrangeiros e dos espiões que circulavam em Portugal; as autênticas batalhas entre alemães e ingleses em céus portugueses (sobre o Alentejo).
Deliciosa também a forma como são relatados os amores de Jack Gil, paixões violentas que o narrador remata por diversas vezes com frases como " Seria a guerra, o medo de morrer, que soltava as mulheres assim, ao ponto de desejarem tanto e tudo, ao ponto de não quererem parar?". São aliás as mulheres da vida de Jack que funcionam como capítulos deste romance.
É ainda uma história de amizade, de que destaco a frase que dá nome ao livro, quando os dois amigos, o protagonista e Michael, se encontravam de madrugada à conversa dentro do Citroen azul de Jack - "- E nós aqui, enquanto Salazar dorme..." -, uma frase simultaneamente irónica já que ambos sabiam que, mesmo a dormir, um ditador nunca dorme.
Um livro que me cativou e encantou. Não resisto a transcrever o excerto que se encontra na contracapa do livro e que tão bem resume esta história:

«Nada, de repente, existia. A não ser Lisboa, cinquenta anos atrás. A minha Lisboa, onde amei tanto e tantas vezes. A minha Lisboa das pensões e dos espiões, dos barcos ingleses e dos submarinos alemães; a Lisboa das ligas da Mary em cima de um lençol branco; a Lisboa dos cocktails no Aviz enquanto eu perseguia Alice; a Lisboa do penteado "à refugiada" da minha noiva, a Carminho;a Lisboa dessa menina linda, frágil e alemã Anika, por quem arrisquei o pescoço; a Lisboa de Michael..

E assim nos leva Domingos Amaral até ao Portugal dos anos 40, um Portugal cinzento, a que o autor soube dar cor.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Mais aquisições para a minha biblioteca

E a minha biblioteca continua a crescer. É um vício e uma tentação e, de vez em quando, tenho recaídas. Hoje foi um desses dias. Estou a ler "Enquanto Salazar Dormia" de Domingos Amaral (por sinal uma leitura muito interessante) e, numa passagem por um hipermercado, lá espreitei a secção dos livros e tive que trazer alguns comigo.
Assim, os meus novos companheiros (e que engrossam a lista de livros que tenho para ler) são:

Pássaros sem Asas
Autor: Louis de Bernières
Editora: Edições Asa
Págs: 686

Um livro aconselhado por uma amiga querida que já tinha feito um post sobre ele no seu blog ("Ao Sabor dos Livros") e ontem me voltou a falar nele. Hoje não resisti e trouxe-o comigo.



Aquele Verão na Sicília
Autor: Marlena de Blasi
Editora: Quidnovi
Págs: 270

Este livro chamou-me a atenção pela capa. Sou uma apaixonada por Itália e cá está a Sicília no título e fotografia da capa. Li a sinopse e rendi-me, é a "história de pessoas e acontecimentos reais", "o relato fiel de um amor que atravessa a história do séc. XX, contado por quem o ouviu com a magia que merece."


Marcada
Autor: P. C. Cast e Kristin Cast
Editora: Saída de Emergência
Págs: 308

Este seria um livro improvável na minha biblioteca. Eu dizia para mim própria "não leio livros de vampiros. Que parvoíce!". Pois é, mas participei num passatempo do blog "Estante de Livros" e tive que ler os primeiros capítulos deste livro. Fiquei curiosa quanto ao resto. Hoje, dei de caras com ele e... cá está ele.


E pronto, a pilha de livros aumenta, a minha estante quase rebenta, mas... estou mais feliz um bocadinho!

quinta-feira, 25 de junho de 2009

O Rapaz do Pijama às Riscas

Começo por dizer que este livro me foi dado por amigos queridos que têm o dom de me oferecer livros que me marcam para a vida e este não é excepção.
De forma extremamente redutora, posso dizer que esta é a história da amizade entre dois meninos de 9 anos, o Bruno e o Shmuel, o primeiro filho de um oficial nazi, o segundo um menino judeu no campo de concentração de "Acho-Vil" (lembra-vos alguma coisa?). Como leitores, assumimos o ponto de vista de Bruno para uma realidade que desconhece e em que filtra pelo seu olhar inocente uma das épocas mais vergonhosas da história da humanidade. Espantosa a forma como o autor consegue guiar-nos por um caminho em que sabemos mais do que a personagem e espantosa também a forma como, num cenário que rapidamente conseguimos visualizar como horrendo, conseguimos sorrir com as conjecturas de Bruno e com a doçura de duas crianças que não compreendem a realidade que as rodeia, não por falta de inteligência, mas por falta de maldade.
Muito mais se poderia dizer e são múltiplas as sensações de quem o acaba de ler, até porque termina da forma mais surpreendente, mas também mais lógica.
É, afinal, como é referido na contracapa, "uma história especial e muito difícil de descrever", uma história de amizade com uma vedação pelo meio, "vedações como essa, existem um pouco por todo o mundo".
Mas, como se diz a dado passo nesta história, "claro que tudo isto aconteceu há muito tempo e nada parecido poderá voltar a acontecer. Não nos dias de hoje, não na época em que vivemos."...
Será que não??... Oxalá que não!
Um livro a ser lido por todos, para bem da Humanidade.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Mais um "selinho"


E eis que chega um "selinho", atribuído pela Marta da Chuva de Livros. Muito obrigada, Marta! Estes prémios podem ser coisas muito simples, mas são gestos de carinho e reconhecimento, daí o meu obrigada.

Relativamente às regras, são as seguintes:

Escolher 5 situações da vida para passar em câmara lenta;
Em segundo lugar, passar o desafio e o prémio a 12 blogues e avisá-los.

Vamos ver se estou inspirada...

1- O dia em que o meu irmão nasceu (tinha eu 4 anos), mais concretamente o momento em que o meu pai me pegou ao colo para ver aquele quase Menino Jesus loirinho.

2- O dia em que conheci o meu sobrinho, tinha ele 2 dias, dormia sossegadinho na cama da maternidade.

3- Todos os momentos que passo com o meu sobrinho e com o seu sorriso mágico.

4- Os momentos de grande tagarelice que passei com a minha querida avó, que já partiu.

5- Todos os momentos bons que ainda estiverem para vir.

Uff! Já está! Agora os blogs que considero merecerem este "selinho" (a ordem é aleatória):

1- As Valsas Invisíveis
2- Floresta das Leituras
3- Mil Livros, Um Sonho
4- Cartas de Tantas Léguas
5- Há Vida em Marta
6- Viajar pela Leitura
7- .........

Escolhi seis (metade do que as regras mandam), mas foram aqueles em que, tendo em conta o selo que é ("O teu blog merece ser filmado"), entrei nos blogs que referi e consegui imaginá-los com vida, em filme. Deixo os outros seis ao critério dos leitores deste blog e mais, se quiserem pegar na ideia deste "selinho", estão à vontade para o fazer.

Boa viagem pela blogoesfera e pelos livros!... e bom fim de semana!

sábado, 13 de junho de 2009

Fernando Pessoa - poeta do meu país

Fernando António Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa, a 13 de Junho de 1888, faz hoje, portanto, 121 anos. Partiu cedo, aos 47 anos, de cólica hepática. Partiu o homem, mas ficou a obra imortal. O poeta de múltiplas personalidades literárias, o poeta do meu país que elegeu a sua língua materna como sua pátria ("A minha pátria é a língua portuguesa").
Dos seus heterónimos, o que me conquista por completo é Alberto Caeiro, pela simplicidade, é o poeta da natureza, o poeta do olhar, que aceita, desfruta a vida e é feliz. Da produção do ortónimo, a "Mensagem" é, para mim, magistral. Da sua imensa produção literária (julgo que ainda nem toda editada), não tenho um poema favorito, tenho vários.
Nesta simples homenagem ao grande poeta do meu país, aqui deixo dois dos meus poemas favoritos, um de Ricardo Reis e outro de Fernando Pessoa, ele mesmo:

                 "Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive."

Ricardo Reis


Mar Português

"Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma nao é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu."

Fernando Pessoa, in Mensagem