terça-feira, 11 de agosto de 2009

A Vida num Sopro


Sou uma fã assumida dos livros de José Rodrigues dos Santos, (JRS) já li uns quantos ("A Filha do Capitão","Codex 632", "A Fórmula de Deus"), tenho em espera "A Ilha das Trevas" e "O Sétimo Selo", e acabei agora de ler este. De todos, o meu preferido continua a ser o "Codex". Mas, voltando a "A Vida num Sopro", li-o na sequência do livro de Domingos Amaral ("Enquanto Salazar Dormia") pela época em que decorre a acção. Apeteceu-me ler mais sobre uma época que desperta a minha curiosidade pelo ridículo das situações, pelas leis inconcebíveis, por um regime absurdo que "reinou" pelo medo durante 40 anos.
Neste sopro, JRS romanceia a relação dos seus avós, Luís e Amélia, contemporâneos de um regime absurdo e que viveram um amor impossível. Uma história bem contada que, no entanto, a dada altura, se perde um pouco para a tentativa de contextualização mais pormenorizada, o que, na minha modesta opinião, acontece noutros livros do autor. Como se a investigação histórica ganhasse vida própria e secundarizasse a história central. É nestes momentos que vacilo na leitura, não porque não ache interessante, mas porque me faz quebrar um pouco o fio da acção. Ainda assim, gostei bastante de "A Vida num Sopro", até mesmo do seu final imprevisível, mas que parece de facto ser a única saída para Luís Afonso, o protagonista da história, apanhado numa hedionda rede urdida por um inspector da "pevide" (como era denominada por alguns a PVDE -Polícia de Vigilância e Defesa do Estado, mais tarde PIDE), que algures no tempo se ofendeu com uma resposta deste cidadão que não percebia porque não podia beijar a namorada em público. Era assim naquele tempo...
Termino destacando a citação que o próprio JRS faz, através do seu Luís Afonso, do grande Fernando Pessoa:

"Dorme, mãe Pátria, nula e postergada
E, se um sonho de esperança te surgir,
Não creias nele, porque tudo é nada,
E nunca vem aquilo que há-de vir."

Fernando Pessoa

3 comentários:

flicka disse...

Ainda não li nada do JRS. Tenho na estante "O codex" já há alguns anos à espera de ser lido... Adorei "Enquanto Salazar Dormia" e estou curiosa com este livro, mas é disto que tenho receio: "Como se a investigação histórica ganhasse vida própria e secundarizasse a história central", o que faz quebrar o desenrolar da história e além disto não fala de espionagem, é mais sobre uma história de amor entre Luis e Amelia daquele tempo, no regime de Salazar. Mas, claro, um dia hei-de ler este livro, porque também é o tema que me interessa. Gostei ler a tua opinião.
Continuação de boas leituras!

bauny disse...

Eu adorei este livro!! Gostei bastante da história, mas confesso que por vezes o excesso de 'História' me fez ler algumas páginas na diagonal... ;) bjs e boas leituras!

juju disse...

olá :D acabei de ler ontem o livro do JRS " a vida num sopro ", mas anteriormente já tinha lido o "sétimo selo". no entanto, por este fiquei completamente fascinada, excepto a parte da guerra.
essa história de amor impossível é bastante real no mundo em que vivemos, em que nao se pode ter aquilo que, por vezes queremos. Tenho pena do final infeliz porque se isto acontecesse hoje-em-dia era tudo muito mais simples