terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Leituras leves para o Natal

Neste mês de Dezembro, no meio de tanto trabalho, testes, correcções, notas e reuniões, fiz uma pausa na leitura de “Caim” (que começou muito bem, mas de momento me cansou) e decidi ir à estante e escolher leituras leves. Estava a precisar. Assim, li, quase de uma assentada, três livros – “Razões do Coração” de Rosalind Laker, “Ninguém como tu” de Anna Casanovas e “A Villa” de Nora Roberts.


"Razões do Coração" - A história de Lisette, uma menina que vira mulher e cuja vida dá muitas voltas e reviravoltas, cruzando-se com Daniel, responsável por espectáculos da “lanterna mágica”. Esta história leva-nos ao final do séc.XIX, ao tempo e experiências dos Lumiére, ao nascimento do cinema. Uma intriga que se desenrola entre a França e Inglaterra e que nos envolve. No entanto, ou muito me engano, ou há erros cronológicos na acção. A protagonista é, no início, apresentada com uma idade que, no desfecho, se torna impossível. Não será, na minha opinião, um grande livro, mas é fácil de ler e a história envolve-nos e conquista-nos, apesar das pequenas desilusões como o erro cronológico que referi.


"Ninguém como tu" - Ágata, residente em Barcelona, viaja para Londres para um estágio profissional e para dar uma volta à sua vida, ficando alojada em casa de Gabriel, o melhor amigo do seu irmão mais velho. No entanto, muitas coisas novas a esperam por lá. É a típica história de amor com final feliz, mas é também uma história bem contada, com uma acção que faz sentido e nos conquista. Fiquei com vontade de ler outros livros da autora o que, para mim, é muito bom sinal.



“A Villa” de Nora Roberts conquistou-me (como tantas vezes acontece) pela capa e pelo título e não me desiludiu. É a história do clã Giambelli, família italiana de tradições vitivinícolas, que tem em três mulheres, avó, mãe e neta, na Califórnia, os seus pilares. Família esta que se cruza com outro clã, os Macmillan, formando uma forte sociedade que preparará os seus herdeiros para honrarem a tradição e assumirem a continuação da empresa. Uma história muito bem contada, como costumam ser as desta autora. Difícil de parar de ler, foi a muito custo que o li em dois dias, porque a vontade era de ler em sessão continua.


Para terminar esta partilha, permito-me destacar a dedicatória que Nora Roberts faz no seu livro, com a qual concordo e me soa a lema de vida...

“À família, que cria as raízes.

Aos amigos, que as fazem florescer”

…e quem disse que as leituras leves não nos enriquecem?....

3 comentários:

Sophie disse...

Comecei hoje a ler A Villa.
Acho que tens toda a razão, de vez em quando sabe bem leituras leves, no intervalo de outras mais complexas ou em determindadas fases da vida em que não estamos tão concentradas.
A leitura flui, absorve-nos e, sim, enriquece-nos.

Eduardo Trindade disse...

Hummm... Gosto muito de te "ver" sempre às voltas com tantos livros fascinantes... Um abraço grande e boas leituras em 2010, minha amiga!

flicka disse...

Não li nenhum destes livros, mas gostava de ler o da Nora, a "Villa".

Desejo-te um Ano Novo 2010 cheio de coisas boas e deliciosas leituras!!
:)*