quinta-feira, 3 de setembro de 2009

A Arte de Amar


A capa... interessante, a autora... apeteceu-me dar-lhe uma oportunidade (depois da desilusão de "Uma Villa em Itália"), a sinopse... razoável, o título... recordou-me um homónimo de Ovídio e a minha veia de classicista levou a melhor e eu trouxe o livro para casa.
Lê-se facilmente, mas, para quem já teve uma desilusão com um livro desta autora, este não é melhor. Há qualquer coisa que, quanto a mim, não funciona nas suas histórias e não me convence. O desfecho acaba por ser, mais uma vez, abrupto e parece sempre uma tentativa forçada de "arrumar a casa", dar destino a cada uma das personagens de forma muito pouco natural. Diria que a história começa bem, vai-se desenrolando e as personagens vão-se entrelaçando e, quando tudo parece bem encaminhado, a base do edifício vacila e tudo tem que ser rapidamente escorado, porque, a qualquer momento, a edificação pode desabar.
Foi esta a sensação que tive nos dois livros da autora. Definitivamente, não me convence.
Lamento, mas a léguas de distância do homónimo de Ovídio, esse sim "A Arte de Amar".

2 comentários:

bauny disse...

OK... Tb já temos tantos em lista de espera, este não vai!!
Muito obrigada pelos selos... gostei daquela parte em que dizes que são blogs especiais e que visitas regularmente! Obrigada!!!

Eduardo Trindade disse...

Bom... Vamos à próxima leitura, então! O que será que tens agora na cabeceira? (Eu, particularmente, estou com uma fila de uns tantos livros a serem lidos!)
Abraços!