domingo, 25 de janeiro de 2009

Entre o Céu e a Montanha


O que me atraiu, em primeiro lugar, neste livro foi a capa - acolhedora, convidativa. Li o resumo na contracapa e decidi comprá-lo. Não me arrependi.
É uma história de amor, um amor na meia idade, que decorre no magnífico cenário do País de Gales. É o primeiro romance do autor, Will North. Não é uma leitura profunda, mas mexeu comigo. Talvez o início seja demasiado esclarecedor quanto ao final da história, mas, na minha opinião, não retirou magia ao que se segue. Conquistou-me logo nas primeiras páginas...
"Quando o filósofo francês René Descartes escreveu «cogito ergo sum», em 1637, aquelas três palavras em latim - penso, logo existo - deram início a uma era a que os historiadores chamam Iluminismo. De certo modo continuamos a vivê-la nos dias de hoje; é um mundo onde a mente se sobrepõe aos sentidos, onde o pensamento racional é considerado superior aos sentimentos. E no entanto... acontecem coisas nas nossas vidas que desafiam esse conceito: ténues mudanças que ocorrem no firmamento da nossa existência diária, o mundo que gira hesita imperceptivelmente - e tudo muda. Há instantes que não se prestam ao pensamento racional; são inteiramente sensoriais." (p. 15, 1ªed.)
É provável que nem toda a obra se mantenha neste nível de escrita, mas, quando chegamos ao fim e voltamos a este excerto, tudo faz sentido.
Foi um prazer ler este livro.

1 comentário:

Canochinha disse...

Concordo com o que dizes. Não é uma grande obra literária, mas é bastante agradável. Uma boa leitura para os momentos mais calmos :)