sábado, 13 de junho de 2009

Fernando Pessoa - poeta do meu país

Fernando António Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa, a 13 de Junho de 1888, faz hoje, portanto, 121 anos. Partiu cedo, aos 47 anos, de cólica hepática. Partiu o homem, mas ficou a obra imortal. O poeta de múltiplas personalidades literárias, o poeta do meu país que elegeu a sua língua materna como sua pátria ("A minha pátria é a língua portuguesa").
Dos seus heterónimos, o que me conquista por completo é Alberto Caeiro, pela simplicidade, é o poeta da natureza, o poeta do olhar, que aceita, desfruta a vida e é feliz. Da produção do ortónimo, a "Mensagem" é, para mim, magistral. Da sua imensa produção literária (julgo que ainda nem toda editada), não tenho um poema favorito, tenho vários.
Nesta simples homenagem ao grande poeta do meu país, aqui deixo dois dos meus poemas favoritos, um de Ricardo Reis e outro de Fernando Pessoa, ele mesmo:

                 "Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive."

Ricardo Reis


Mar Português

"Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma nao é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu."

Fernando Pessoa, in Mensagem


3 comentários:

Eduardo Trindade disse...

Ora, é aniversário do Poeta!... Bela e providencial homenagem a tua. A obra é universal (tanto que mo conquistou aqui nas longínquas terras brasileiras), mas imagino que a satisfação de tê-lo como conterrâneo te acrescente ainda mais gosto à genialidade das palavras...
Feliz aniversário, ó Pessoa!

Marta disse...

imortal é o Poeta! beijo

Marta disse...

No meu blog encontra um selinho.

Boas leituras
Bjs